intermodal_2013

O Mapa da Morte

dopinha_img_6076vw

Como a repressão da ditadura militar montou uma rede clandestina de tortura pelo país

Em uma quadra residencial do bairro Bom Fim, em Porto Alegre, um casarão em estilo neoclássico recebeu nos últimos 52 anos professores da rede estadual, idosos de uma casa de repouso e até um laboratório de análises clínicas. Mas a maioria dessas pessoas não devia ter ideia do que ocorreu no local entre março de 1964 e agosto de 1966. Antes do uso comercial, aquele imóvel do número 600 da rua Santo Antonio abrigou o primeiro centro clandestino de tortura usado pela repressão após o golpe que instalou a ditadura militar (1964-1985) no Brasil.

A violência praticada por agentes do Estado no casarão conhecido como Dopinha – uma referência ao Dops (Departamento de Ordem Política e Social) – deu início a uma década de torturas, assassinatos e desaparecimentos de opositores do regime em aparatos clandestinos da ditadura. Propriedades privadas, alugadas ou emprestadas por simpatizantes das Forças Armadas, e até mesmo dependências de órgãos públicos com desvio de atribuição, formaram entre 1964 e 1975, do Rio Grande do Sul ao Pará, um mapa da morte, com endereços que permanecem nas sombras até hoje.

Continuar lendo

Você também vai gostar...